Notícia postada em: 28 de março de 2015 às 19:20

Parceria com ‘produtores de água’ é o caminho para preservar as nascentes

parceria-dest

Desde que assumiu o comando do Serviço Autônomo de Água e Esgotos – SAAE de Ibicaraí, José Dias devolveu à autarquia a credibilidade de uma empresa séria. Além da quitação de dívidas trabalhistas, dívidas com o INSS, pagamento de salários em dia, investimentos na Estação de Tratamento (ETA), investimentos de quase dois quilômetros de moderna tubulação da Serra do Córrego Grande até a ETA, limpeza e ampliação da barragem do Luxo, ampliação da barragem da Serra da Banha (melhorando o fornecimento de água para os distritos da Vila Santa Izabel e os dois Cajueiros), perfuração de um poço e construção de dois tanques que funcionam como filtros na fazenda Cachoeira (próximo à Pancada Formosa) e a compra de um carro e uma moto. Zé Dias fala com orgulho dessas conquistas e lembra que tudo foi feito com recursos próprios.

O diretor do SAAE está dando mais um passo importante no processo de estruturação da autarquia, com a parceria do SAAE com os agricultores de Serra do Córrego Grande. A princípio existe a aproximação com diálogo e a consciência de que é preciso preservar as 64 nascentes existentes na serra (segundo relatório feito pelo Instituto Floresta Viva).

Zé Dias já tem a palavra de Abel de Furtuoso, que pretende reflorestar parte da área por onde passa o córrego. No início dessa semana o diretor do SAAE recebeu a visita de Pedro Gama, produtor rural e dono de uma fazenda no topo da serra. Pedro procurou Zé Dias para pedir ajuda no processo de reflorestamento de quatro hectares de pasto. De acordo com Pedro existem algumas nascentes nessa área que precisam urgentemente de cobertura vegetal.

O diretor do SAAE se comprometeu a ajudar e doou três bolas de arame, pregos e grampos e irá ajudar na despesa com mão de obra para fazer uma cerca em torno das quatro hectares. Segundo Zé Dias o caminho para a solução desse problema futuro é o Pagamento por Serviço Ambiental (PSA). “Cobramos uma das menores taxas de água do Brasil. Nossa água é boa e barata. Infelizmente encontrei um órgão quase falido e o processo de reconstrução é lento, mas o próximo diretor terá menos dores de cabeça. O prefeito Lenildo Santana encomendou um relatório detalhado de toda a Serra do Córrego Grande junto a Rui Rocha, diretor do Floresta Viva. O relatório está pronto. É um documento importante que nos respalda. O segundo passo, com esse relatório em mãos, é tentar captar recursos para fazer valer o PSA. Não vejo outra solução para preservar essas nascentes”, concluiu Zé Dias.